PUBLICIDADE
Topo

A Cidade é Nossa

Leituras do voto estadunidense: a escala importa!

Raquel Rolnik

05/11/2020 15h38

Área de superfície dos condados dos EUA e sua população associada x votos Republicanos ou Democratas nas eleições de 2016. Fonte: @karim_douieb

Por Aluízio Marino* e Raquel Rolnik

A escolha da escala é uma das técnicas mais importantes para a produção dos mapas. Determinadas questões só podem ser verificadas em determinadas escalas. A escala sempre importa, e quando falamos de dinâmicas sociopolíticas a leitura de um mesmo fenômeno pode ser radicalmente alterada a partir da escala que se utiliza. É importante saber que a escolha de escala não é trivial nem descompromissada: para além de uma dimensão quantitativa, relacionada ao tamanho do território, existe também uma dimensão qualitativa e estratégica em sua definição.

Um bom exemplo são os mapas de eleições. O LabCidade já fez uma análise multiescalar das eleições presidenciais no Brasil em 2018, evidenciando que os mapas dos votos em escala regional simplificaram a diversidade e às desigualdades dentro das regiões e, pior, incentivaram uma falsa narrativa de que a eleição de Bolsonaro seria resultado de uma polarização: nordeste versus o resto do Brasil.

Certas escolhas de escala para a leitura destas eleições estadunidenses também podem simplificar as disputas e conflitos internos de um país dividido, assim como ocorreu no Brasil. A escala dos Estados é a usualmente empregada na geografia eleitoral dos EUA, por ser esta a unidade política decisiva na contabilidade eleitoral — quem obtém a maioria dos votos de um Estado leva todos os seus delegados para o Colégio Eleitoral. O problema é que, para além do pragmatismo do critério adotado, esta escala apresenta uma leitura simplista e categórica do Sul e do Meio-Oeste como territórios dos republicanos, e as costas nordeste e oeste do país (com o chamado "cinturão da ferrugem") como territórios dos democratas.

Mapa das eleições presidenciais norte americanas por Estados (2020). Fonte: Associated Press News

Ao deslocarmos a escala dos mapas para os condados a narrativa se altera radicalmente. Assim como nas eleições passadas, vencidas por Trump, o que os mapas no nível dos condados revelam é uma geografia eleitoral muito mais complexa, com a existência de verdadeiros "arquipélagos urbanos". A divisão no seio do eleitorado nos Estados Unidos se reflete no processo de urbanização do país: os votos republicanos/conservadores estão concentrados nas zonas rurais, enquanto os votos democratas/liberais se fazem presentes nas grandes cidades. Já os subúrbios abastados, tradicionalmente republicanos, são objeto de disputa acirrada. Muitos analistas estadunidenses compreendem esta divisão como o cosmopolitismo urbano (democrata) versus o conservadorismo rural e suburbano predominantemente branco (republicano).

"Desafio aceito! Aqui está uma transição entre a área de superfície dos condados dos EUA e sua população associada. Isso sem dúvida fornece uma leitura muito mais precisa da situação."

"Como muitos de vocês notaram, o mapa que usei não está usando os resultados de votação adequados da eleição presidencial dos EUA de 2016. O equívoco veio do mapa postado por Lara Trump, que mostra mais vermelho do que deveria. Aqui está uma versão atualizada do GIF."

O mapa das eleições nos EUA de 2016 é a expressão de um modelo territorial que concentrou diversidades étnicas e raciais, mesmo que segregadas, durante décadas. Já os subúrbios abastados no entorno das grandes cidades, onde brancos se isolavam e os votos se destinavam majoritariamente ao Partido Republicano, começaram a mudar nos últimos 15 anos: uma mescla de política de crédito habitacional e movimento de novas gerações de imigrantes foi tornando estes subúrbios mais diversos racial e etnicamente. O fenômeno foi inclusive bastante mobilizado por Trump em suas campanhas, com um discurso em defesa das "donas de casa suburbanas" imagem clássica dos anos 1950/60, ignorando que estas foram se tornando cada vez mais raras com o passar dos anos, e os bairros de famílias brancas e cerquinhas baixas cada vez mais minoritários.

Fonte: Associated Press News

Apesar de ainda não existir resultado final destas eleições entre Donald Trump e Joe Biden, a leitura do território eleitoral como grandes cidades democratas, zonas rurais escassamente povoadas republicanas, e subúrbios em disputa parece corresponder cada vez mais à imagem da real divisão sociopolítica territorial dos Estados Unidos.

* Aluízio Marino é mestre e doutorando em Planejamento e Gestão do Território pela Universidade Federal do ABC. Especialista em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação (CELACC). Bacharel em Gestão de Políticas Públicas pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador do LabCidade, coordena a produção cartográfica do Laboratório. Também desenvolve ações de mapeamento coletivo com diversos movimentos sociais e coletivos autônomos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Raquel Rolnik é arquiteta e urbanista, é professora titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Foi diretora de planejamento da Secretaria Municipal de Planejamento de São Paulo(1989-92), Secretária Nacional de Programas Urbanos do Ministério das Cidades (2003-07) entre outras atividades ligadas ao setor público. De 2008 a 2014 foi relatora especial da ONU para o Direito à Moradia Adequada. Atuou como colunista de urbanismo da Rádio CBN-SP, Band News FM e Rádio Nacional, e do jornal Folha de S.Paulo, mantendo hoje coluna na Rádio USP e em sua página Raquel Rolnik. É autora, entre outros, de “A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo” (Studio Nobel, 1997), “Guerra dos lugares: a colonização da terra e da moradia na era das finanças (Boitempo, 2016) e “Territórios em Conflito - São Paulo: espaço, história e política” (Editora três estrelas, 2017).

A Cidade é Nossa